segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

só,entre,a sós

Me cega a indinação de teimar e fingir que não estou a sós.No seu sentido mais óbvio,sei que percorri tudo entre meus sentidos e o nada,e sempre será assim.A sós sei que não me aflitará o gosto perfurado e amargado do punhar em minhas costas.Sempre no silêncio da penumbra vou teatrar que não me sinto demarcada,mas o tanto que as calunias me fogem as palavras,é o quanto que eu respiro suas entranhas.

Um comentário:

Andressa de souza disse...

gostei ;]
ein vc é uma pensandora
dasuhduhashudshudhsaduudh
:*