quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

inebriante


destinadamente,é ignorância não admitir que o inexistente em mim,é o maior desinteria em você.Deixar luzes acesas e questionar a razão dos jogos de palavras.fui-me e dei-me conta da imensidão dos pensamentos desaflorados que germinaram em mim,e literalmente não deixo que note o meu maior incômodo disto.Me tenho sozinha e rodeada pelo cheiro limpido e suportável do concreto mais as suas lágrimas á altura de mim,com cevada espalhada por meus argumentos insistentementes inválidos pelo grau do tal,do charme em elegância da pessoa que aqui estou em desdobrar palavras em cima de uma superficie nada limpida por conter restos inimáginaveis e agora existentes,que nada mais faz sentido para ninguem.Oque resta é a desistência ou a iniciativa.Pela iniciativa,me tento congestionada,pois sei que os inebriantes sentidos humanos digo de passagem porcamente ao abismo do ridiculo,teimam em reagir no final encantador da tarde.Oque me resta é dizer que desisto do alter-ego,deixando-o petrificado em minhas palavras que imploram por coordenação e alguma pidada de senso.

2 comentários:

skodfka disse...

ritmica.

Fredvan disse...

nossa que introspectividade mais introspectiva :D~