quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

"Todo mundo” não gosta de ver no palco suas íntimas chagas, suas inconfessas abjeções."
sempre se pondo em lugar de subjeção,mesmo que o faça sem o menor cabimento.Quando confesso o que escorregou com fulgor por entre nossos dedos,que fundindo matéria humana e alcatrão,não falo para que os ponteiros estejam frenéticos,mas sim,por tentar pôr em mim o próprio fracasso desajeitado e "normal" da espécie.Não é por que só traduzo vc em um unico assunto,que isso faça sentido pra mim.Por que é irreal,irredutivel.Nada passa de uma subconciência correndo atrás do tempo perdido.

2 comentários:

Andressa Souza disse...

Ixi sorry ,não sou tão boa em entender texto,não entendi quase nada , mais vc escreve bem chaar ;D
vo passar aqui sempre que der ^^
inté ;**

chora rita disse...

é que na colômbia tem uma cidade chamada búrbura. curtiu né HAHAHAHAHAHA

até meu nome infere ao narcotráfico